WEG termina segundo trimestre com lucro de R$ 336,6 milhões

Ebitda sobe 25,6% e fica em R$ 465,5 milhões. No semestre, lucro líquido é de R$ 624,6 milhões

Da Agência CanalEnergia 
18/07/2018

A fabricante de equipamentos elétricos WEG terminou o segundo trimestre do ano com lucro líquido de R$ 336,6 milhões, melhorando em 23,7% o lucro na comparação com o mesmo trimestre do ano passado. A empresa divulgou seu resultado nesta quarta-feira, 18 de julho. A receita líquida de vendas chegou a R$ 3,05 bilhões, ficando 34% acima dos R$ 2,28 bilhões registrados no segundo trimestre de 2017. O Ebitda da fabricante de equipamentos elétricos ficou em R$ 465,5 milhões, subindo 25,6% na mesma base de comparação.

No semestre, o lucro está em R$ 624,6 milhões, 17,3% maior que o do mesmo semestre do ano passado. A receita líquida em seis meses chegou a R$ 5,65 bilhões, um crescimento de 27%. Os R$ 845,2 milhões de Ebitda deste semestre representam expansão de 20,5% na comparação com o primeiro semestre de 2017.

De acordo com a WEG, a melhora da conjuntura econômica auxiliou na obtenção do resultado. A melhora em geração, transmissão e distribuição liderou o crescimento consolidado. O início do reconhecimento em da receita que vem de projetos de energia solar e pela compra da empresa de turbinas a vapor TGM explicam a expansão de GTD no Brasil. Já o crescimento no mercado externo é explicado em parte pela aquisição da operação de transformadores nos Estados Unidos.

Ainda na parte de GTD, a WEG diz que o destaque foi o negócio em geração solar, que no último trimestre do ano passado ganhou importantes projetos na carteira. Os negócios em eólica também tiveram bom desempenho, com uma carteira de pedidos que deve se estender até o fim do ano. Nas outras fontes renováveis, a melhora na entrada de pedidos se consolidou e o panorama é de continuidade para o resto do ano, com estabilidade para os próximos meses.

Na transmissão e na distribuição, os leilões dos últimos anos vão impactar na carteira de pedidos da WEG, mas não terão impacto sobre as receitas este ano, que vai refletir principalmente a venda de transformadores para as distribuidoras, além de transformadores e subestações para o mercado industrial e para projetos de energia renováveis.