UHEs seguirão sendo a base do sistema elétrico brasileiro, afirma ONS

Na abertura do 18º Eriac, o diretor-geral do Operador Nacional do Sistema, Luiz Eduardo Barata, destacou o protagonismo das hidrelétricas na manutenção do alto uso das energias renováveis no Brasil

Da Agência CanalEnergia 
22/05/2019

A indústria da eletricidade deve passar por mudanças profundas nos próximos anos, com a expansão de fontes renováveis, como eólicas e solares, e do uso dos veículos elétricos, da produção de energia pelos próprios consumidores e da dificuldade de regularização dos reservatórios. Ainda assim, por muito tempo, as hidrelétricas continuarão sendo a base do sistema elétrico brasileiro, o que manterá o país como um exemplo mundial do aproveitamento de fontes renováveis, segundo o diretor-geral do Operador Nacional do Sistema (ONS), Luiz Eduardo Barata.

A afirmação foi feita no último domingo, 19 de maio, durante a abertura do 18º Encontro Regional Ibero-americano (Eriac) do Comitê Nacional Brasileiro de Produção e Transmissão de Energia Elétrica (Cigré), em Foz do Iguaçu (PR). O evento é organizado pela Itaipu Binacional e a abertura teve a participação do diretor-geral brasileiro, Joaquim Silva e Luna, e do diretor técnico José Maria Sánchez Tilleria, que representou a diretoria geral paraguaia.

O seminário, o mais importante da região ibero-americana do Cigré, prossegue até quinta-feira (23)  Ao todo, serão apresentados cerca de 300 trabalhos técnicos em 16 Comitês de Estudo do Cigré, discutidos simultaneamente em oito salas diferentes. A ideia é promover a troca de experiências capazes de ajudar o setor a enfrentar os desafios do presente e do futuro.

“Trata-se de uma área sofisticada e cada vez mais conectada e interdependente”, disse o diretor-geral brasileiro, general Joaquim Silva e Luna, durante sua fala na solenidade, na qual citou a importância de estudos para trabalhos como a atualização tecnológica da Itaipu. “Estamos criando sistemas para integrar tudo e este tipo de aprendizado se dá em momentos como esse, trocando conhecimento, experiência, criando união e, sobretudo, confiança.”

MATRIZ LIMPA

Embora haja previsão de aumento de quase 5.000 MW na capacidade instalada das hidrelétricas no país, até 2023, a participação destes empreendimentos no sistema elétrico brasileiro deve diminuir percentualmente com a expansão de novas fontes, como eólica e solar, passando de 67,5% para 64%. “Apesar disso, a participação hidrelétrica será majoritária, o que dá a nossa matriz uma característica excepcional de energia limpa. A longo prazo, as hidrelétricas continuarão sendo a base do sistema”, afirmou Barata.

“Há países que não chegam a 30% da matriz com energia renovável. Estamos partindo para o futuro com patamares elevados neste aspecto, com 87% de fontes renováveis, sendo 70% a partir de fonte hidráulica”, completou o diretor de Transmissão da Eletrobras e vice-presidente técnico do Cigré Internacional, Marcio Szechtman.

No território brasileiro, a perspectiva do ONS é a de que o sistema elétrico se torne cada vez mais complexo, com o intercâmbio de energia entre as regiões em corrente contínua e alternada, do uso múltiplo dos recursos hídricos e da perda de capacidade de regularização dos reservatórios. Mas Itaipu está fora do radar de preocupações. “Este cenário tem exigido uma interação maior entre o Operador Nacional do Sistema e aquelas empresas que operam os reservatórios. Fazemos um trabalho diário, na busca de otimizar o nível de regularização”, explicou o diretor-geral do ONS. “Durante muitos anos os problemas eram menores, porque tínhamos uma capacidade de regularização muito grande. A medida que essa capacidade foi se esgotando, esta interação com a Itaipu tem aumentado e tem mantido um padrão de qualidade excepcional.”