Setor eólico será prejudicado com suspensão de serviços da Polícia Rodoviária

Carretas com equipamentos poderão ficar impossibilitadas de trafegar por falta de escolta da PRF

Da Agência CanalEnergia Wagner Freire
07/07/2017

O setor eólico será prejudicado com a suspensão de serviços da Polícia Rodoviária Federal (PRF), disse a presidente executiva da Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica), Elbia Gannoum.

Em função de contingenciamento orçamentário, a PRF anunciou a suspensão e a redução de alguns serviços a partir desta quinta-feira, 6 de julho, entre eles o de escolta de cargas superdimensionadas e escoltas em rodovias federais.

Devido ao tamanho dos aerogeradores, que podem ultrapassar 50 metros de cumprimento, esses equipamentos precisam de transporte especial. Em trechos de via única, serras, vales e montes, é obrigatório a escolta da PRF. Em outros trechos, é possível trafegar com escolta particular.

Segundo Elbia, a interrupção do serviço de escolta por parte da PRF é um grande problema para o setor, na medida em que existe a previsão de trafegar no Brasil 10 mil carretas com equipamentos eólicos até o final do ano. “Estamos literalmente com carga parada”, disse.

A executiva avaliou como grave a situação. O gargalo logístico deve gerar novos custos para o setor, podendo comprometer o cronograma dos parques eólicos em construção. Além disso, o atraso na data de operação dos projetos pode gerar multas e penalizações aos investidores.

Em nota,  Polícia Rodoviária Federal, em conjunto com Ministério da Justiça e Segurança Pública, informou que está em tratativas com Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão “para que se tenha uma célere recomposição do orçamento e o consequente restabelecimento dos serviços e normalização da atuação da instituição.”