Renováveis estabilizam expansão em 2018, aponta AIE

Pela primeira vez em cerca de 20 anos não há crescimento de volume adicionado sobre o ano anterior, foram 180 GW adicionados em 2018, mesmo volume de 2017

Da Agência CanalEnergia 
06/05/2019

Depois de quase duas décadas de forte expansão anual, as fontes renováveis não apresentaram aumento ante o ano anterior. De acordo com levantamento da Agência Internacional de Energia (AIE), o volume total acrescido em 2018 foi equivalente ao reportado em 2017. Houve o incremento de 180 GW em novas capacidades de geração por meio da energia solar fotovoltaica, eólica, hídrica, bioenergia e outras fontes renováveis.

Segundo comunicado da AIE, “isso é apenas cerca de 60% das adições líquidas necessárias a cada ano para atingir as metas climáticas de longo prazo”. E ainda que “o inesperado achatamento das tendências de crescimento que suscita preocupações quanto ao cumprimento das metas climáticas de longo prazo”. Essa foi a primeira vez desde 2001 que o crescimento da capacidade de energia renovável não aumentou ano a ano.

Cálculos da agência apontam a necessidade de crescimento em mais de 300 GW em média por ano entre 2018 e 2030 para alcançar as metas do Acordo de Paris, de acordo com o Cenário de Desenvolvimento Sustentável (SDS). Mas a análise mostra que o mundo não está fazendo o suficiente. No ano passado, as emissões de CO2 relacionadas à energia aumentaram em 1,7% para uma alta histórica de 33 gigatoneladas. Apesar do crescimento de 7% na geração de eletricidade a partir de fontes renováveis, as emissões do setor elétrico cresceram para níveis recordes.

A AIE relatou que desde 2015 o crescimento exponencial da energia solar fotovoltaica global compensou os aumentos mais lentos da energia eólica e hidrelétrica. Mas o crescimento da energia solar fotovoltaica se estabilizou em 2018, adicionando 97 GW de capacidade e ficando aquém das expectativas. A principal razão, destacou, foi uma mudança repentina nos incentivos de energia solar fotovoltaica da China para conter os custos e enfrentar os desafios de integração da rede para alcançar uma expansão fotovoltaica mais sustentável.

A China adicionou 44 GW de energia solar fotovoltaica em 2018, em comparação com 53 GW em 2017. O crescimento foi estável nos Estados Unidos, mas as adições de energia solar aumentaram na União Europeia, México, Oriente Médio e África, que juntos compensaram a desaceleração na China. Apesar disso, o país oriental respondeu por quase 45% do aumento da capacidade total de eletricidade renovável no ano passado. Com novas linhas de transmissão e maior demanda de eletricidade, as adições de eólicas da China aumentaram no ano passado, mas a expansão da energia hidrelétrica continuou a desacelerar, mantendo uma tendência observada desde 2013.

As adições de capacidade na União Europeia, o segundo maior mercado de energias renováveis, registaram um ligeiro declínio. A solar cresceu em comparação com o ano anterior, enquanto as adições de eólicas diminuíram. Os desafios de transição de políticas e a mudança dos incentivos renováveis ​​resultaram em um crescimento mais lento da energia eólica onshore na Índia e da energia solar fotovoltaica no Japão. Nos Estados Unidos, o terceiro maior mercado, as adições de capacidade renovável aumentaram ligeiramente em 2018, impulsionadas principalmente pela expansão mais rápida da energia eólica onshore, enquanto o crescimento da energia solar fotovoltaica ficou estável.