Para WEG, fonte solar pode ajudar a suprir lacuna da eólica

Empresa atua em EPC de projeto solar na Paraíba, mas mantem olhar para contratos com eólicas

Da Agência CanalEnergia 
20/07/2017

Com um cenário não muito alentador na área de geração, uma vez que não há a perspectiva da realização de leilões de energia este ano, a fabricante de equipamentos WEG aposta na fonte solar como uma das formas de mitigar essa lacuna. Em teleconferência com analistas nesta quinta-feira, 20 de julho, o diretor superintendente administrativo financeiro da WEG, André Luiz Rodrigues, revelou que a empresa vem se colocando cada vez mais como fornecedora em projetos de geração distribuída e centralizada. Em abril, ela anunciou que faria o EPC do complexo solar Coremas (PB), de 93 MWp cada, incluindo subestação e linha de transmissão, na Paraíba. “Ainda não compensa, mas já vemos um sentido positivo”, explica. O complexo terá investimentos de R$ 426 milhões e as obras devem ocorrer até 2018.

Ainda de acordo com o executivo, a carteira da WEG para eólicas vai até meados de 2018. Furnas anunciou recentemente a descontratação do parque eólico de Itaguaçu (BA). A WEG seria a fornecedora dos aerogeradores da usina, o que movimentaria a produção nesse período de incerteza. Mesmo assim, o executivo se mostra animado e lembra que a fabricante brasileira explora oportunidades de exportação e mapeia o mercado livre. “A WEG continua bem posicionada no mercado com produto superior, tecnologia e posição destacada de competitividade”, observa.

Uma janela de oportunidade que pode se abrir para a WEG é o mercado eólico indiano. Ela já tem uma unidade no país asiático e o setor de energia e infraestrutura estão crescendo por lá. Outro campo que está no radar da empresa é o de veículos elétricos. Já existem protótipos rodando dentro de fábricas da WEG e há cerca de 250 carros elétricos no país que rodam com equipamentos da empresa.