MME aprova eólicas da EDP Renováveis como produtores independentes

Obras nas EOLs Santa Rosa e Mundo Novo I, II e III vão até 2022 e irão requerer cerca de R$ 173,1 milhões por empreendimento. Ministério também confirmou usinas da Enel e da EECO Jacutinga

Da Agência CanalEnergia 
04/06/2018

O Ministério de Minas e Energia autorizou a operação como produtores independentes de energia de três projetos relativos as usinas de geração eólica denominadas Santa Rosa e Mundo Novo I, II e III, todas localizadas no Rio Grande do Norte. As EOLs, que também foram confirmadas pelo MME como projetos prioritários e enquadradas junto ao Reidi, são de posse da EDP Renováveis e cada uma possui 31,5 MW, com período de execução das obras indo de 30 de setembro de 2021 até o final de 2022. Cada empreendimento irá demandar cerca de R$ 173,1 milhões, sem contar a incidência de impostos.

Nos mesmos moldes, o Ministério também definiu a EOL Ventos de Santa Ângela 21, situada no Piauí e com 30 MW de capacidade. O cronograma previsto para obras vai de 1º de março de 2022 até novembro do mesmo ano, demandando aproximadamente R$ 154,3 milhões

A EECO Jacutinga – Empreendimentos Energéticos do Centro Oeste S.A. também teve sua solicitação para operação como produtor independente confirmada pelo MME, com a PCH Perdidos, localizada no município de São José do Rio Claro, no Mato Grosso. A usina possui 28 MW de potência e terá investimentos de cerca de R$ 174,9 milhões sem a incidência de taxas, com as obras indo de abril de 2020 até janeiro de 2022.

Já o projeto de ampliação em 25 MW da UTE Pitangueiras foi enquadrado pelo Ministério junto ao Reidi. As obras acontecerão entre 1º de junho deste ano até abril de 2020, angariando R$ 63,5 milhões em recursos, sem a incidência de impostos. A usina está localizada no município de Pitangueiras, em São Paulo.