Geradora e fundo estrangeiro criam joint venture para investir R$ 2 bi em renováveis

Darby Servtec Energia planeja investimentos em projetos de pequeno e médio porte nas fontes solar, eólica e em PCHs

Da Agência CanalEnergia 
21/08/2019

A geradora brasileira Servtec e a gestora de fundos estrangeiros Darby Private Equity se associaram com planos ambiciosos para o setor elétrico brasileiro. A holding Darby Servtec Energia nasce com a meta da investir nos próximos anos inicialmente R$ 2 bilhões em geração renovável no país, nas áreas de eólica, solar e hídrica (esta por meio de PCHs). Os recursos serão alocados tanto na construção de novos projetos quanto na aquisição de plantas que já estão operacionais. O pipeline em análise por parte do consórcio recém constituído ultrapassa os 700 MW de capacidade instalada.

Um dos que estão à frente da joint venture, Pedro Fiuza, CEO da Servtec, explica que o foco principal dos investimentos da holding será projetos de pequeno e médio porte nas três fontes. “Há um espaço interessante para a consolidação de ativos num cenário de médio e longo prazo, a partir de ações de melhoria na eficiência operacional de cada um deles. A ideia é agregar valor aos empreendimentos”, explica o executivo da Servtec, empresa que, sozinha, analisa projetos no setor de energia que somam mais de 250 MW em potência instalada e investimentos superiores a R$ 900 milhões.

No caso da holding, a primeira aquisição concretizada envolve a usina eólica Bons Ventos da Serra I, com 23 MW de capacidade e localizada no interior do estado do Ceará. A Darby Servtec Energia pretende encerrar 2019 com pelo menos 150 MW já na carteira própria de projetos em operação. Em paralelo, a parceria mira ainda investimentos no segmento de geração solar distribuída. “Esse modelo traz enormes benefícios ao sistema, principalmente por permitir que a geração ocorra próximo ao centro de consumo, o que reduz perdas elétricas na transmissão de energia”, explica Fiuza.

Após a construção do portfólio de ativos próprios, serão implementadas medidas de otimização na operação e no controle das unidades, entre as quais a unificação de grupos de projetos em um único centro de comando. Além de reduzir gastos com pessoal, o controle integrado atende melhor a operação de projetos de tamanho reduzido, afirma o executivo. Com foco em mercados emergentes, o fundo Darby Private Equity nasceu como subsidiária integral da Franklin Templeton Investments, empresa global com atuação no Brasil desde 1980 e mais de US$ 650 bilhões sob gestão.