Fernando de Noronha recebe sistema inteligente de armazenamento de energia

Iniciativa busca suprir os períodos de intermitência da geração solar e eólica na ilha, sendo desenvolvida a partir do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) do Grupo Neoenergia. Projeto conta com um aporte superior a R$ 20 milhões

Da Agência CanalEnergia 
09/10/2018

O navio “Ilha de Fernando de Noronha”, munido de cerca de 10 toneladas de equipamentos que irão compor o primeiro módulo de armazenamento de energia inteligente em implantação no arquipélago de Fernando de Noronha (PE), já se encontrado ancorado na Ilha desde a última segunda-feira, 8 de outubro.

O projeto é de posse da Neoenergia e deve potencializar o sistema de geração fotovoltaica já em operação na região, com as duas usinas solares construídas pelo Grupo, Noronha I e II. Nessa primeira etapa, os investimentos são da ordem de R$ 6 milhões. No total, o projeto contará um aporte superior a R$ 20 milhões.

Estruturado a partir do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) do Grupo Neoenergia, e regulado pela Agência Nacional de Energia Elétrica, o sistema é composto por dois módulos com tecnologia de armazenamento em baterias em íons de lítio. Com 280 kW de potência, cada módulo permitirá que os moradores da ilha possam utilizar uma energia de fonte renovável por mais horas no dia. Durante os horários de geração solar, as duas usinas fotovoltaicas em funcionamento em Noronha estarão abastecendo os imóveis e a energia não consumida recarregando as baterias. Após o pôr do sol, o novo sistema poderá ser acionado, suprindo a ilha com a energia renovável.

O projeto está em desenvolvimento há um ano e deve complementar o Sistema de Redes Inteligentes (REI), já em funcionamento no arquipélago. A partir do conceito de energy storage, a iniciativa é uma alternativa para suprir os períodos de intermitência – quando ocorre grande variação na geração, a exemplo do momento em que o sol se põe, para uma cadeia solar, ou a diminuição na intensidade dos ventos, em um exemplo de geração eólica. Dessa forma, o consumo de óleo deve ser reduzido significativamente, hoje em uso para geração de energia na Usina Tubarão, também em funcionamento na ilha.

O segundo módulo, com os equipamentos finais para a obra de implantação do sistema, deve embarcar para Fernando de Noronha nas próximas semanas. A expectativa é que a construção e implementação seja concluída até o final deste ano, quando o sistema poderá entrar em funcionamento na ilha.