Eletrosul alcança 2,1 GW de potência instalada com operação da UHE Jirau

Empresa completa 48 anos no próximo dia 23 de dezembro

Da Agência CanalEnergia Operação e Manutenção
22/12/2016

A Eletrosul completa 48 anos nesta sexta-feira, 23 de dezembro, e comemora a marca histórica de 2,1 GW de capacidade instalada de geração, alcançada com a operação da Hidrelétrica Jirau. Com uma matriz energética 100% limpa, proveniente das fontes hídrica, eólica e solar, o potencial de geração da Eletrosul é suficiente para atender ao consumo de 12 milhões de pessoas. Os investimentos em geração, próprios e em parceria, superam R$ 8 bilhões em ativos.

Desde 2013, a Eletrosul registra a operação plena de cinco hidrelétricas na região Sul e no Mato Grosso do Sul. Além da hidrelétrica Jirau (20%), em Rondônia, a empresa também participa da Hidrelétrica Teles Pires (24,7%), entre o Pará e o Mato Grosso. No Rio Grande do Sul, a Eletrosul detém ainda empreendimentos eólicos que totalizam 800 MW de capacidade instalada, sendo considerada um dos maiores players do setor. Em Florianópolis, opera a Usina Megawatt Solar (1MWp), um complexo de geração fotovoltaica.

Importante projeto estruturante, a Hidrelétrica Jirau é resultado de parceria entre a Eletrobras (40%), por meio das subsidiárias Eletrosul e Chesf – ambas com 20% cada, a Engie (40%) e a Mitsui (20%), empresas que compõem o consórcio Energia Sustentável do Brasil (ESBR), responsável pelo empreendimento, com investimento de R$ 19 bilhões. Integrante do Complexo Hidrelétrico do Madeira, a usina tem capacidade instalada de 3.750 MW, suficiente para atender ao consumo de mais de 40 milhões de pessoas, consolidando-se como a 4ª maior usina do País, incluindo Itaipu.

No total, são 50 turbinas do tipo bulbo, as mais potentes do mundo, e que foram desenvolvidas para operar a fio d’agua, com baixas quedas e consequentemente com baixo impacto ambiental. Com investimento em tecnologia foi possível alcançar 98,94% de disponibilidade acumulada. Isso significa maior capacidade para transformar a força do Rio Madeira em energia elétrica. O desempenho é superior ao previsto no edital de concessão da Aneel, que é de 93%