Combustíveis fósseis atingirão pico de demanda na década de 2020

Transição energética desestabilizará setores inteiros e põe em risco trilhões de dólares investidos

Da Agência CanalEnergia 
11/09/2018

O rápido crescimento global das tecnologias limpas fará com que a demanda por combustíveis fósseis atinja o pico na década de 2020, colocando em risco trilhões de dólares de investidores que desconhecem a velocidade da transição energética, segundo um novo relatório da Carbon Tracker divulgado nesta terça-feira, 11 de setembro.

A demanda por carvão, gás e petróleo está diminuindo porque o custo das energias renováveis e de baterias para armazenamento está caindo rapidamente, as economias emergentes estão optando pelo crescimento com base em energias limpas e as políticas governamentais estão sendo impulsionadas pela necessidade de cortar as emissões de gases de efeito estufa para controlar as mudanças climáticas e reduzir a poluição do ar.

Kingsmill Bond, estrategista de novas energias do Carbon Tracker e autor do relatório, disse: “Os anos 2020 serão a década dos picos de demanda por combustíveis fósseis, pois sucessivamente os mercados fósseis serão invadidos e dominados pela onda das energias renováveis. Isso levará inevitavelmente a trilhões de dólares de ativos perdidos em todo o setor corporativo e atingirá os petro-estados que não conseguem se reinventar ”.

O estudo mostra que as energias solar e eólica substituirão todo o crescimento de combustíveis fósseis à medida que elas se expandem em um cenário de queda na demanda de energia. Como espera-se que a demanda global de energia cresça em 1-1,5% e a energia solar e eólica em 15-20% ao ano, a demanda por combustíveis fósseis atingirá o pico entre 2020 e 2027, provavelmente 2023.

Segundo o estudo, a transição afetará diretamente as empresas que compõem até um quarto dos índices de ações e dos mercados de dívida, atingindo os setores bancário, de bens de capital, de transporte e automotivo. Os países exportadores de combustíveis fósseis sofrerão. A Rússia é um dos 12 países onde as rendas de combustíveis fósseis representam 10% ou mais do PIB.

Kingsmill Bond disse: “A demanda por combustíveis fósseis vem crescendo há 200 anos, mas está prestes a entrar em declínio estrutural. Setores inteiros terão dificuldades para fazer essa transição e terão que enfrentar quedas nos preços, maior competição, reestruturação, ativos ociosos e redução do mercado”.

As indústrias estabelecidas geralmente viram a demanda atingir o pico quando o concorrente ainda era muito pequeno, em torno de 2% a 3% das vendas totais. Por exemplo, a demanda por eletricidade térmica na Europa atingiu o pico em 2007, quando as energias renováveis representavam apenas 3% da oferta total. Como a demanda caiu após a crise financeira e as renováveis aumentaram sua participação de mercado, a indústria foi forçada a amortizar US $ 150 bilhões em ativos.

“Temos visto um padrão similar em muitas transições de energia, desde eletricidade, carvão e carros nos últimos anos até cavalos e luzes a gás no passado. A demanda para quem já está estabelecido chega ao auge cedo e os investidores dessas empresas perdem dinheiro cedo. ”, afirmou o estrategista.

Grande parte da indústria de combustíveis fósseis parece cega para esse risco. A BP, a OPEP e a IEA não esperam a demanda máxima por combustível fóssil até outra geração ou mais. No entanto, alguns analistas, como a DNV GL, prevêem o pico de demanda por combustíveis fósseis na década de 2020.

O relatório conclui que o ponto de inflexão para a demanda por combustíveis fósseis virá quando as tecnologias desafiadoras de energia solar e eólica representarem cerca de 6% do fornecimento total de energia e 14% do fornecimento global de eletricidade – muito abaixo dos níveis de penetração em muitos países da Europa.

Bond identifica três fatores que impulsionam a transição energética.

1. Os custos de energia solar fotovoltaica, eólica e de baterias de armazenamento estão caindo rapidamente e agora eles podem competir com os combustíveis fósseis sem subsídios. Os custos caíram em torno de 20% para cada duplicação da capacidade e espera-se que isso continue. Até 2020, as energias renováveis serão mais baratas do que os combustíveis fósseis em todas as principais regiões do mundo, de acordo com a Agência Internacional de Energia Renovável.

2. Os mercados emergentes estão impulsionando o crescimento da demanda por energia e escolhendo fontes renováveis ao invés de combustíveis fósseis. Eles têm menos infra-estrutura de combustíveis fósseis já estabelecida, maior dependência de energia, mais poluição e desejam aproveitar as oportunidades que as renováveis têm a oferecer. China e Índia já estão escolhendo energia solar e eólica em vez de combustíveis fósseis. A China ultrapassou os Estados Unidos como o maior implantador de capacidade solar e eólica em 2012 e carros elétricos em 2016. A AIE prevê que 27% do crescimento da demanda de energia nos próximos 25 anos virão da Índia e 19% da China.

3. A política governamental está apoiando essas tendências. “A necessidade de limitar as emissões de carbono, o desejo de respirar ar limpo e a busca pela independência energética significam que a pressão regulatória global sobre a indústria de combustíveis fósseis só aumentará”, disse Kingsmill Bond. Clique aqui para ler a íntegra do relatório.