Brasil pode explorar potencial eólico onshore por mais 40 anos no ritmo atual, aponta BTG Pactual

Esse seria o prazo caso a expansão anual fosse equivalente ao registrado nos 10 primeiros anos de exploração desse recurso no país, de 45% ao ano

Agência CanalEnergia 
18/02/2019

Se o Brasil registrasse o seu ritmo de crescimento no segmento eólico dos últimos 10 anos levaria mais de 40 anos para que o país esgotasse seu potencial de capacidade instalada onshore. Essa conclusão consta de um relatório do BTG Pactual sobre a geração eólica brasileira. A publicação, lançada pela instituição financeira em 14 de fevereiro, aponta que o potencial do país é de 880 GW e que o país utilizou em 10 anos apenas 1,6% desse volume.

Além disso, apontou o relatório assinado por João Pimentel e Filipe Andrade, da divisão de Equity Research do banco, ainda podemos ver mais crescimento com o aproveitamento do potencial de geração eólica offshore. A estimativa de potencial é de 1,3 TW e ainda não há projetos no país que se utilizam dessa tecnologia, apenas alguns estudos de gigantes do petróleo como a Petrobras, Total e Equinor.

Por conta desse potencial, aponta o BTG Pactual, uma importante parcela do incremento da capacidade eólica global deverá ser originada do Brasil. O país vivenciou uma expansão de 45% ao ano comparando os últimos 10 anos. Passou de 400 MW em 2008 para algo próximo a 14 GW ao final de 2018 volume que elevou a participação dessa fonte de 0,3% de sua matriz para 9% nesse mesmo período.

A instituição atribui esse crescimento, o qual classificou como ‘impressionante’, à expansão das políticas nacionais focadas nas renováveis, parcialmente beneficiadas por subsídios. Mas ainda há outros fatores como o avanço da tecnologia que vem reduzindo os preços dessa fonte de, bem como alguns dos melhores sites para a geração eólica no mundo, localizados no Brasil onde podem ser encontrados picos om até 60% de fator de capacidade. E ainda lembrou que os preços nos últimos leilões ao nível aproximado de US$ 21/MWh.

Nesse período de 10 anos os equipamentos dos leilões de 2007 tinham dimensão média de cerca de 70 metros, 90% dos rotores tinham diâmetro inferior a 80 metros e capacidade instalada de 1,8 MW nos melhores projetos. Nos últimos certames, destacou, a maioria dos projetos tinham uma turbina média com 110 metros de diâmetro, a dimensão do rotor excedia o das turinas em 10 a 15 metros e cerca de 30% dos projetos tinham turbinas com potência média de 3 MW.

Ao passo que a tecnologia avança, escreveram os analistas, “esperamos que turbinas eólicas ainda maiores sejam implementadas, permitindo uma maior redução nos custos de geração eólica tanto onshore quanto offshore. Como previsto, o projeto da turbina varia de acordo com o mercado, o local do projeto, a regulamentação ambiental e outro longo conjunto de fatores, mas a tendência de crescimento parece ser global e terá grande impacto em ambas aplicações, já que agora estamos vendo turbinas quase 200 metros de altura. A dimensão crescente é um dos principais contribuintes para a queda do LCOE e as tendências observadas na indústria apontam para um desenvolvimento em todos os conjuntos de configuração de turbinas”.