Voltalia investe em tecnologia de previsão de irradiação de curto prazo

Sistema de mapeamento do céu é capaz de coletar imagens e prever irradiação e potência para os próximos minutos

Da Agência CanalEnergia 
02/03/2018

A Voltalia, geradora de energia renovável, está investindo em uma tecnologia capaz de mapear o céu e prever a irradiação e a potência de uma usina solar para os próximos minutos. A tecnologia foi desenvolvida pela empresa Reuniwatt, especializada em soluções de previsão. As câmeras terrestres de mapeamento do céu foram instaladas no primeiro parque híbrido da Voltalia, situado no município de Oiapoque, no estado do Amapá.

Segundo a Reuniwatt, a tecnologia utiliza algoritmos para realizar análises avançadas das imagens e, consequentemente, prever a irradiação com base no deslocamento das nuvens que interferem no desempenho de um parque fotovoltaico.

A partir dessa tecnologia, a Voltalia passará a utilizar previsões solares em um curto espaço de tempo que ajudarão a alcançar maior penetração fotovoltaica em seu parque solar. Neste caso específico, a Voltalia usará a câmera Sky Cam Vision, que atua no espectro visível da luz e faz fotos do céu a cada 30 segundos.

O parque solar da Voltalia no município de Oiapoque possui capacidade instalada de 4 MW e integra um Projeto Híbrido, composto ainda por uma unidade térmica de 12 MW e que em 2021 passará a contar também com uma usina hidrelétrica de 7,5 MW. O parque solar de Oiapoque fornece energia elétrica para as áreas urbana e rural do município, além de otimizar a infraestrutura já existente e diminuir os custos operacionais do empreendimento com uma redução no uso do diesel.

PIONEIRISMO

O projeto da Voltalia em Oiapoque será o primeiro sistema híbrido do mundo a incluir três fontes de energia, sendo duas delas renováveis, além de um sistema de previsão de curto prazo. A Sky Cam Visio indicará as condições meteorológicas locais atuais e no curto prazo. Portanto, durante o dia, os geradores térmicos funcionarão em carga parcial, reduzindo o consumo de combustíveis fósseis necessários para alimentar o microgrid. As quedas acentuadas de produção fotovoltaica causadas pela passagem das nuvens poderão ser detectadas a tempo, a fim de otimizar as operações do parque.

“Estamos extremamente orgulhosos em acompanhar a Voltalia neste projeto pioneiro, que consideramos uma referência para as futuras aplicações de microgrid.”, explica Nicolas Schmutz, CEO e fundador da Reuniwatt.

“A câmera de mapeamento do céu da Reuniwatt é uma das soluções mais eficientes para previsão intra-horária. Estamos contentes em usar a Sky Cam Vision em nossa instalação de Oiapoque.”, afirma Fábio Machado, Gerente de Projeto da Voltalia em Oiapoque.