Projetos de eficiência da FAB preveem pelo menos 70% de economia à instituição

Estado-Maior da Aeronáutica coordena iniciativas em 8 estados da federação, com destaque para Boa Vista (RR), onde foi firmado um convênio com a Eletrobras Distribuidora e com o Cepel. Instituição quer tornar-se referência em sustentabilidade no setor público em até 10 anos

Da Agência CanalEnergia 
14/01/2019

O Comando da Aeronáutica – COMAER alinhado com políticas públicas de sustentabilidade, implantou o Programa de Eficiência Energética – PEE no âmbito de suas organizações militares, com a inserção de Fontes Incentivadas, com destaque para a fotovoltaica.

A Força Aérea Brasileira havia apresentado sua intenção ainda em outubro do ano passado à Aneel, mostrando o planejamento e as atividades em andamento para implantação do projeto piloto, que é de alcance nacional e está fundamentado nos Procedimentos do PEE da Agência reguladora – PROPEE.

Na ocasião, o Coordenador-Geral do PEE da FAB, Coronel Aviador André Luiz dos Santos Caldeira, reuniu-se em Brasília com o Diretor-Geral da Aneel, André Pepitone, (DF), para apresentar os principais aspectos do Programa de Eficientização, que tem como objetivo aperfeiçoar a gestão energética em toda a corporação, bem como otimizar os recursos empreendidos.

Segundo o oficial, o Estado-Maior da Aeronáutica está coordenando as ações da iniciativa no âmbito da FAB, que incluem não apenas o diagnóstico técnico e a apresentação de projetos eficientes às distribuidoras locais de energia elétrica, mas também a conscientização coletiva no uso racional dos recursos energéticos.

“Temos programas para causar reflexões que irão contribuir para uma mudança de comportamento. A ideia é que todos que utilizam energia, passem a utilizá-la de modo racional”, explicou o coronel. Ele afirma também que os estudos e projetos da corporação seguem a metodologia da Aneel e de protocolos internacionais na busca pela máxima eficiência nos sistemas de iluminação, de condicionamento de ar, de refrigeração, motriz e aquecimento de água.

Neste contexto, as Guarnições de Aeronáutica – GUARNAE, sediadas em diversas localidades, tais como Boa Vista (RR), Brasília (DF), Natal (RN), Anápolis (GO), Canoas (RS) e São José dos Campos (SP), iniciaram as tratativas com as distribuidoras regionais de energia ainda em 2018, visando o estabelecimento de parcerias institucionais.

Na etapa já em andamento neste ano, o projeto abrange as localidades de Boa Vista (RR), Fortaleza (CE), Natal (RN), Anápolis (GO), Brasília (DF), Rio de Janeiro (RJ), Guaratinguetá (SP), Canoas (RS) e Santa Maria (RS). Um dos destaques fica para Boa Vista, onde foi firmado um convênio com a Eletrobras Distribuidora Roraima e com o Centro de Pesquisas de Energia Elétrica – Cepel para as ações em curso.

Segundo a FAB, esta fase do programa segue o modelo do PROPEE, onde são realizados os inventários dos equipamentos elétricos que formam os Sistemas de Iluminação, ar condicionado, refrigeração, motriz e de aquecimento de água, visando o correto diagnóstico energético para a aplicação das ações de eficiência energética.

Em Brasília, todas ações de eficientização, incluindo substituição de equipamentos e redimensionamentos, com a possibilidade de construção de uma Usina Solar Fotovoltaica, irão angariar uma quantia estimada em R$ 30 milhões.

Este aporte proporcionará, aproximadamente, uma economia superior a 80% no valor da conta de energia elétrica, com um retorno da aplicação em torno de seis anos. Cabe ressaltar que o investimento é para um período médio de cinco anos, a ser realizado com recursos de parcerias estratégicas.

Os dados gerais de economia com a iniciativa estão sendo atualizados, mas a FAB estima, após concretizada a implantação do programa, uma economia de no mínimo 70% dos valores atualmente gastos com o pagamento da conta de energia.

O Comando da Aeronáutica declarou que ao longo dos últimos anos vem emitindo Diretrizes Estratégicas que estabelecem um “plano de voo” para o tema. As atividades relativas ao PEE-COMAER estão inseridas no contexto de reestruturação do Comando e, nesse sentido, as ações sustentáveis, outrora implantadas, estão sempre em constante aperfeiçoamento.

Segundo o oficial Caldeira, a Força Aérea consome atualmente pelo menos 291 GWh/ano, o que equivale a cerca de 2% da carga no poder público nacional. A instituição trabalha com a ideia de, em até 10 anos, tornar-se referência em sustentabilidade no setor público.