Neoenergia fecha parceira com Nokia para implantar rede de telecom em SP

Iniciativa é um passo inicial para fazer chegar as redes inteligentes a seus 13,6 milhões de consumidores no Brasil até 2030

Da Agência CanalEnergia 
16/10/2018

A Neoenergia deu um passo no sentido de ampliar o alcance de sua atuação no Brasil em um processo que demandará investimentos de R$ 10 bilhões até 2030. A companhia, por meio de sua distribuidora Elektro Redes, anunciou uma parceira com a finlandesa Nokia para o estabelecimento de rede de comunicação LTE para viabilizar o estabelecimento de redes inteligentes em três cidades do interior paulista, Atibaia, Bom Jesus dos Perdões e Nazaré Paulista, ação que chegará a cerca de 75 mil clientes até 2020.

A estimativa é de que os investimentos alcancem cerca de R$ 110 milhões e que envolvem, além da implantação da rede de comunicação a troca de medidores comuns em clientes de baixa tensão por medidores inteligentes. Na média tensão e alta tensão os clientes dessa região já contam com esse tipo de equipamento. A Elektro, contou seu presidente Giancarlo Souza, já fez um investimento de R$ 10 milhões na preparação da rede para que esse novo passo fosse dado.

O projeto é uma iniciativa da própria distribuidora como uma forma de estabelecer-se de forma mais proativa para o futuro papel que as distribuidoras terão no futuro. E este é o primeiro passo para que a empresa consiga ter o aprendizado para a ampliação desse modelo para os 13,6 milhões de consumidores que a companhia tem espalhados pelos estados onde atua, Bahia, Pernambuco e Rio Grande do Norte, além da área de concessão da Elektro, que alcança o interior de São Paulo e algumas cidades do Mato Grosso do Sul.

“O uso da telecom com a energia passará a ser o dia a dia e a rotina do consumidor. Com esse projeto passaremos a ser um orquestrador da rede, pois esse será o futuro da distribuição de energia, onde o consumidor terá um novo relacionamento com as empresas de energia”, comentou ele.

Uma das metas da empresa é a de reduzir o nível de perdas não técnicas na região. A expectativa inicial é de chegar a algo próximo a 80% menos fraudes na rede daquela região que já possui um nível baixo desse indicador. Com isso é possível cair de um volume de 0,5% das perdas comerciais para algo próximo a 0,1%. “Ou seja, poderemos quase zerar essas perdas na região de abrangência do projeto”, acrescentou. Hoje a demanda de energia nessas três cidades é de quase 1 mil GWh no ano.

Depois de terem preparado a rede de distribuição da região, a Elektro começará a desenvolver os próximos passos desse projeto que envolvem cinco fases. As duas últimas, destacou a concessionária, vai depender da adesão dos clientes e poderão ser ofertados serviços de diversas naturezas com o avanço da tecnologia, como a geração distribuída e a inserção dos veículos elétricos.

A escolha pela região, explicou o executivo da Neoenergia, deu-se pelo fato de que esses municípios apresentam uma característica comum a todas as concessões do grupo no país. São consumidores que estão espalhados por uma região ampla, na área rural, urbana, com indústrias e geografias diversas que facilitam no entendimento do impacto dessa iniciativa.

Souza relata que a partir de 2020 os serviços estarão disponíveis para o consumidor, mas lembra que é preciso que a regulação do setor elétrico nacional ainda precisará passar por mudanças para abarcar todas as mudanças do futuro no segmento de distribuição. Mas acredita que essa alteração virá com a modernização das regras que a Agência Nacional de Energia Elétrica vem promovendo desde que estabeleceu a resolução normativa 482/2012. Nesse sentido, a companhia já vem fomentando a inserção da GD solar na região ao fornecer e instalar sistemas dessa modalidade de geração para clientes pontuais na região como em hospitais, escolas e outros dispositivos públicos como forma de iniciar o aumento da penetração dessa nova realidade do setor elétrico naquela região.

Esses investimentos não estão classificados como P&D da Aneel, mas a agência reguladora tem o conhecimento desse projeto que poderá ajudar nas determinações futuras. Entre os indicadores que estão no radar os indicadores de redução de DEC e FEC na região, cuja estimativa é de serem reduzidos em 50%, cada um, neste projeto.

A rede 4G LTE será implantada na faixa de frequência de 3,5 Gigahertz (GHz), a primeira instalação do tipo na América do Sul, segundo a Nokia.

A rede conectará equipamentos de rede, medidores inteligentes, subestações e sistemas de geração distribuída em toda a área de serviço, permitindo a automação da rede por meio da troca de informações em tempo real entre os dispositivos e o Centro de Operações da Elektro, em Campinas. Mais ainda, será possível identificar rapidamente a origem dos eventos na rede elétrica, para uma rápida restauração em caso de falha, até mesmo para evitar a ocorrência de interrupções, garantindo um serviço de alta qualidade para os clientes da concessionária paulista.