Lucro da Enel cresce e fica em € 1,16 bilhão no primeiro trimestre

Renováveis e redes puxaram resultado. Ebitda da empresa subiu 3,1% e chegou a 4,03 bilhões

Da Agência CanalEnergia 
09/05/2018

A Enel teve aumento de 18,9% no lucro líquido no primeiro trimestre de 2018, chegando a € 1,16 bilhão. A empresa italiana divulgou nesta quarta-feira, 8 de maio, seu resultado global.  Na América do Sul, as receitas chegaram a € 3,08 bilhões, recuando 5% na comparação com o mesmo período de 2017.  O Ebitda da Enel subiu 3,1 % em relação ao mesmo período de 2017, ficando em € 4,03 bilhões.  De acordo com Francesco Starace, CEO da Enel, o  lucro veio impulsionado principalmente por renováveis e redes, as duas principais áreas de foco para o crescimento industrial no Plano Estratégico da empresa.  O crescimento no Ebitda vem embalado pela expansão das renováveis e pela distribuição de energia, além de melhoria nas margens de mercado na Península Ibérica.

Já a dívida líquida está em 37,8 bilhões de euros, aumentando em 1,2%.  O crescimento da dívida reflete o pagamento do dividendo intermediário para 2017 e o investimento do período, que compensaram o fluxo de caixa operacional mais do que o previsto. Segundo o executivo, durante este trimestre, o grupo trabalha para melhorar ainda mais a eficiência operacional, o que fez com que alcançasse uma redução de 2,6% nas despesas operacionais.

Ainda segundo Starace, nos primeiros três meses do ano, foi completada a reorganização dos ativos no Chile, onde agora há uma estrutura que cobre toda a cadeia de valor, desde a geração renovável e convencional até a distribuição e varejo. Os resultados alcançados e o progresso entregue até o momento na implementação do Plano Estratégico 2018-2020 confirmam as metas financeiras para 2018. No Brasil, a Enel controla distribuidoras no Rio de Janeiro, Ceara e Goiás e atua também de modo expressivo na geração de energia renovável. A sua subsidiária Enel Green Power é o maior player solar do país e um dos maiores da fonte eólica. Na geração convencional, ela possui a UHE Cacheira Dourada e a térmica Fortaleza. Atualmente, ela disputa com a Neoenergia a compra do controle da distribuidora Eletropaulo (SP), que deve chegar a um desfecho no começo de junho.