Goiás entrega 149 casas do MCMV já dotadas com placas para uso de geração distribuída

Projeto Casa Solar da Agência Goiana de Habitação também promoveu capacitação técnica com beneficiados para a manutenção dos sistemas

Da Agência CanalEnergia 
23/06/2017

A cidade de Pirenópolis, em Goiás, ganha no próximo sábado, 24 de junho, o primeiro empreendimento habitacional unifamiliar de interesse social do Brasil com sistema de geração de energia fotovoltaica. O município é o primeiro do estado a receber o projeto Casa Solar da Agência Goiana de Habitação. São 149 moradias no Residencial Luciano Peixoto dotadas de placas geradoras de energia fotovoltaica, ligadas à rede da Celg.

Com a iniciativa da Agehab de implantar sistemas de energia fotovoltaica nas moradias destinadas às famílias com renda de até três salários mínimos, o Governo do Estado se destaca de modo inovador. O residencial também é o primeiro do programa Minha Casa Minha Vida com essa tecnologia que assegura eficiência energética e preservação ambiental.

A implantação do sistema é integralmente custeada pelo Cheque Mais Moradia, modalidade Melhoria, no valor de R$ 3 mil por unidade habitacional, podendo gerar economia na conta de luz das famílias de até 70%. O presidente da Agehab, Luiz Stival, ressalta que o governo de Goiás autorizou a implantação do piloto do projeto Casa Solar em 1,2 mil moradias nos municípios de Pirenópolis, Alto Paraíso, Caçu e Palmeiras de Goiás.

Outro fator importante é que a Agehab está ajudando a popularizar a tecnologia, demonstrando que é possível colocá-la ao alcance da população de baixa renda. Com o projeto Casa Solar, a Agehab alia sustentabilidade dos empreendimentos habitacionais – com adoção de fontes limpas e renováveis de energia – e inclusão social – com criação de oportunidades de geração de emprego e renda para as famílias. É o que já está acontecendo com a implantação dos projetos-pilotos em Pirenópolis e Alto Paraíso.

A Agehab promoveu, durante o processo de instalação das placas fotovoltaicas, qualificação dos beneficiários para atuar com a manutenção dos sistemas. Segundo Stival, foram realizados cursos aos beneficiários interessados em atuar nesse novo ramo que tem crescido muito no País.