Engie fecha acordo com cooperativa para instalação de usina solar

Investimento de R$ 8,3 milhões em unidade de 2,06 MW será financiado pelo BRDE

Da Agência CanalEnergia 
25/05/2018

A Engie e a Cooperativa de Produção e Consumo Concórdia – Copérdia fecharam contrato para a instalação de uma usina fotovoltaica de 2,06 MW de capacidade, a maior unidade de geração de energia solar fotovoltaica a abastecer o agronegócio em Santa Catarina. A obra será executada pela Engie na localidade de Santo Antônio, em Concórdia (SC), devendo estar concluída até setembro, quando a Copérdia passará a gerar energia a partir de fonte limpa e renovável para 90% de suas unidades consumidoras. A estimativa é que a conta de energia elétrica da cooperativa seja reduzida em mais de R$ 1 milhão por ano com o implantação da geração solar.

O aporte de R$ 8,3 milhões no sistema será financiado pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul – BRDE, com prazo de retorno estimado em sete anos e meio. “Trata-se de um investimento importante que irá impulsionar ainda mais o agronegócio na região sul do país”, comentou o presidente da Engie Geração Solar Distribuída, Rodolfo de Sousa Pinto, que depois complementou: “É mais um exemplo de boa parceria entre a Engie, o cliente, a Copérdia, e o agente financiador, o BRDE, na qual todos ganham principalmente o meio ambiente com a adoção de um modelo de energia limpa e renovável”.

Para o presidente da Copérdia, Valdemar Bordignon, a iniciativa se justifica pela demanda energética da cooperativa e pela questão ambiental de utilizar uma fonte limpa de energia. “Certamente é um marco que dará início a outros projetos de geração de energia para a nossa região”, concluiu.

O financiamento concedido pelo Banco está alinhado com o programa BRDE Produção e Consumo Sustentáveis – BRDE PCS, que prioriza a concessão de crédito para iniciativas ambientalmente responsáveis. Para o gerente de operações da agência do Banco em SC, Marcone Souza Melo, a iniciativa pioneira da Copérdia com certeza irá motivar outras cooperativas a adotarem medidas semelhantes. “Acreditamos que toda a indústria catarinense pode se beneficiar da geração distribuída e dos programas de eficiência energética disponíveis. A Copérdia é um exemplo de que as cooperativas estão cada vez mais alinhadas com as boas práticas ambientais”, destacou.