Engie compra consultoria de energia e amplia atuação no setor

GV Energy administra R$ 5,5 bilhões em contratos de energia ao ano

Da Agência CanalEnergia 
30/08/2018

A francesa Engie concluiu a compra da GV Energy, consultoria especializada na área de gestão de energia no Brasil. Com o negócio, a elétrica amplia sua oferta de produtos e serviços, passando a atuar em gestão de risco e contratos de suprimento de energia.

A GV Energy é líder em seu segmento, com participação de mercado de cerca de 15%. A empresa administra R$ 5,5 bilhões em contratos de energia ao ano e obteve, ao longo de sua história de onze anos, uma economia de R$ 9,1 bilhões com gestão e contratação de fornecimento de energia para seus clientes nos mercados livre e cativo. A empresa tem cerca de 370 clientes – para os quais faz gestão e monitoramento em 25.000 pontos de fornecimento de energia.

“É uma importante aquisição, que aumenta e complementa o leque de atuação de Engie no país e abre a oportunidade de levarmos novas soluções aos clientes da GV Energy e oferecer aos nossos clientes toda a experiência da GV em gestão e consultoria. A transação fortalece nossa atuação na área de soluções, uma das prioridades da ENGIE no País”, ressalta Maurício Bähr, CEO da ENGIE Brasil.

Além da Engie passar a oferecer o serviço de gestão de energia a seus clientes, o Grupo terá um rol completo de soluções, que incluem descarbonização via venda de energia renovável e eficiência energética; geração solar distribuída; monitoramento remoto do consumo de energia, instalação e operação de sistemas inteligentes de segurança; implantação, operação e manutenção de sistemas de aquecimento, ventilação e aquecimento e ar condicionado, entre outros.

“Esse investimento está em linha com a estratégia da Engie de estar mais próxima dos clientes, entendendo suas necessidades e respondendo às suas demandas. A Engie vem crescendo de forma sustentável e constante em serviços e liderar a transição energética passa por sermos relevantes em soluções para nossos clientes e gerar energia renovável”, disse Bähr.