América Latina demanda sistemas mais flexíveis com avanço das renováveis, aponta GE em estudo

Entre as ações que os tomadores de decisão precisam adotar esta a implementação de configurações de mercado onde todos os recursos de geração são incentivados a participar ao mesmo tempo que reforça os sistemas de transmissão e distribuição

Da Agência CanalEnergia 
11/01/2019

DE SÃO PAULO (SP)

A América Latina é uma região onde há tradicionalmente uma grande predominância da geração hidrelétrica, contudo, mais recentemente os países estão investindo na expansão das fontes renováveis de uma forma mais abrangente. O caso do Brasil, maior mercado desta região é o maior exemplo desse comportamento que vem sendo verificado. Apesar da produção limpa a variabilidade traz a necessidade de um sistema elétrico mais flexível.  Esse é o tema do estudo lançado pela GE Power. Com o título “Proporcionando Flexibilidade aos Sistemas de Energia na América Latina”, o material traz análise dos países latino americanos e propõe alternativas para uma rede elétrica mais estável, confiável e segura.

Na publicação, a empresa aponta que a demanda por energia cresce cada vez mais nesta região, um cenário diferente do verificado em mercados consolidados como o europeu. A GE apoia seu estudo em dados da Agência Internacional de Energia (EIA, na sigla em inglês) cujas projeções pontam para a perspectiva de crescimento de 70% até 2030, impulsionada pelo crescimento da população e da economia nessa parte do planeta. A AIE, relata, acredita que serão necessários 140 GW adicionais de nova capacidade energética durante esse período para atender à crescente demanda. Com a entrada das fontes alternativas renováveis, avalia o gerente Geral da divisão de Grid Solutions da GE Power para Américas, Emanuel Bertolini, uma maior variabilidade desafia a operação a dar respostas mais ágeis às mudanças de oferta e demanda no sistema. E a transformação contínua da energia cria a oportunidade para fornecer um produto que não seja simplesmente a energia gerada entregue na rede, mas uma energia com uma certa despachabilidade, fator este que proporciona a oportunidade para armazenamento. A integração entre essa modalidade em sistemas híbridos com a solar e eólica, opina, podem tornar a rede elétrica mais robusta e confiável.

Segundo a publicação, diferentes abordagens têm sido utilizadas para adotar operações e mercados de energia visando aumentar a flexibilidade de sistemas elétricos. Na avaliação da empresa, a combinação de resultados dessas ações podem ser utilizadas pelos tomadores de decisões latino-americanos para obter um resultado positivo. Entre as ações estão a implementação de configurações de mercado onde todos os recursos são incentivados a participar, a adoção de preços de energia horários ou sub horários baseados no custo marginal de operação e vinculados a preços de varejo, o desenvolvimento de mercados de serviços ancilares que estejam alinhados com os mercados de energia a fim de permitir a otimização conjunta e incluir uma ampla gama de produtos onde os mecanismos de capacidade explicitamente valorizem a flexibilidade. E ainda, a adaptação de mecanismos de confiabilidade como leilões, para avaliar a flexibilidade de todos os recursos disponíveis, bem como, garantir que as tecnologias sejam diferenciadas e remuneradas com base no seu tempo de reação.

De acordo com os autores do estudo, Brandon Owens e Genevieve de Mijolla, a implementação de mercados de energia por atacado baseados em custos marginais competitivos é essencial para permitir que produtores e consumidores de eletricidade reajam de maneira flexível às mudanças na oferta e na demanda. Eles afirmam ainda que os sinais de preços em tempo real são a maneira mais eficiente de incentivar o comportamento flexível, tanto dos produtores de eletricidade, quanto dos consumidores. Isso porque os geradores podem reagir aos altos preços da energia fornecendo volume adicional ao mercado e, da mesma forma, podem reagir a preços baixos removendo a oferta que não seja necessária. Do mesmo modo, continuam, consumidores podem ter uma reação contrária à dos produtores. Os serviços ancilares ajudariam a equilibrar o sistema de transmissão à medida que ele transfere a energia de fontes geradoras para consumidores de varejo. “Equilibrar o sistema significa combinar oferta e demanda, mantendo uma frequência constante do sistema. Vários fatores podem afetar o equilíbrio entre oferta e demanda e a frequência. Os produtos que fazem parte do mercado desses serviços ao sistema para que este consiga lidar com este desequilíbrio entre carga e geração”, explicam. Esses foram alguns exemplos apontados e ainda há produtos de Suporte a Rampas, Regulação Rápida de Frequência, Regulação Primária de Frequência, Reservas Girantes, Produto de Resposta Inercial Síncrona, entre outros.

Uma questão a ser considerada no processo é que os mercados latinoamericanos estão em diferentes estágios de desenvolvimento. O estudo aponta que o mexicano está em meio à implantação de um modelo competitivo. Por aqui foi adotado um design híbrido que contém alguns dos elementos necessários para aumentar a flexibilidade. Já na Colômbia existem muitos dos recursos necessários de design do mercado de energia, mas precisam considerar novas abordagens para serviços ancilares. “É claro que a crescente participação de energia renovável variável em toda a região exigirá que cada país mude em direção a uma configuração que inclua mercados de energia competitivos apoiados por serviços ancilares e mecanismos de adequação adaptados para valorizar e incentivar a crescente flexibilidade do sistema de energia”, avalia o relatório. As ferramentas para facilitar a transformação das redes, continua, já estão disponíveis e foram demonstradas em mercados em todo o mundo. “A próxima fase para os países da América Latina é dar os primeiros passos para ajustar seus mercados de energia, proporcionando maior flexibilidade aos seus sistemas. Dada a história da região em termos de inovação em sistemas elétricos, começando com a primeira desregulamentação do sistema elétrico no Chile em 1982, todas as peças estão instaladas para permitir uma transição suave e bem-sucedida nas próximas décadas”, aponta.

A análise indica que os crescentes volumes de energia renovável variável como a energia eólica e a solar desafiarão os mercados e as operações de energia em toda a América Latina, exigindo que os países respondam mais rapidamente às mudanças de oferta e demanda. E cada país tem uma característica própria que deve ser considerada. Em comum, os meios que existem para atribuir essa característica flexível ao sistema passa pela operação dos sistemas e modelo de mercado, pelo armazenamento de energia, opções de gestão da carga, geração flexível e a expansão e fortalecimento da rede de transmissão e distribuição. Em todas essas categorias apontadas, a empresa afirma que há opções tecnicamente e economicamente viáveis para aprimorar a flexibilidade de sistemas elétricos. O documento com 53 páginas destaca as diferentes abordagens que foram utilizadas para aprimorar as operações e modelos de mercado do sistema elétrico. Ainda mais à medida em que o sistema global de energia evolui e as redes nacionais de eletricidade estão sendo transformadas em sistemas integrados de energia que contém uma mistura de energia central e distribuída, e de energia renovável variável e despachável. “Isso é particularmente importante, uma vez que as fontes que apresentam variabilidade em sua produção alcançam níveis mais altos de penetração. Esses recursos variáveis podem injetar grandes quantidades de eletricidade na rede em horários que podem não estar sincronizados com a demanda de eletricidade. O sistema de energia rígido e inflexível não será capaz de acomodar oscilações cada vez mais rápidas na oferta e demanda”, finaliza.